domingo, 1 de outubro de 2017

Introdução do livro Salvação Integral - Salvação Pessoal e Social na Teologia de John Wesley escrito por Marlon Marques

Introdução

            A soteriologia de John Wesley será abordada neste livro. Serão focadas não somente algumas partes do entendimento salvífico de Wesley, mas sim o todo, que não fica restrito a algo intimista ou pessoal, mas também a algo social, expresso em boas obras que Deus preparou antes para que as pratiquemos (Ef 2:10)
            É meio que notório vermos pessoas que focam no conteúdo ortodoxo, na defesa da doutrina correta, não se importarem muito com a questão social. Quando se importam, é mais para uma isca para evangelizar. Não é isto que vemos em Jesus que, como sabemos, fazia obras de misericórdia mesmo sabendo que os beneficiários dessas obras não O seguiriam.
            Por outra parte, vemos pessoas se preocupam somente com a questão da ação social, relegando a segundo ou terceiro plano a questão evangelizadora, de salvação da alma. Pregar que Jesus é o único caminho de salvação, a única verdade e a vida dentre tantas ofertas de crenças que há no mundo é pregar o que as Escrituras dizem (Jo 14:6). Permanecer no pecado, portanto, não salvo, é não crer em Jesus (Jo 16:9). Não devemos omitir essa informação crucial para a salvação das pessoas ao enfatizar e pregar somente a responsabilidade social.
            Todos os que conhecem bem a história dos irmãos Wesley e do metodismo primitivo, podem constatar que a preocupação imensa e intensa com as duas questões abordadas anteriormente era rotineira entre eles. Wesley mencionava na questão de crença, que os metodistas deveriam crer no que todos os outros grupos cristãos ortodoxos creem, a saber, na autoridade da Bíblia, na encarnação de Jesus Cristo, no Seu nascimento virginal, na Sua ressurreição física, na Trindade, na justificação pela fé, na santidade como princípio de vida e outros. Ele mencionava na questão prática que os metodistas deveriam praticar obras de piedade e obras de misericórdia. As obras de piedade são os atos de ler as Escrituras todos os dias, orar sem cessar, jejuar e similares, enquanto que as obras de misericórdias são atos de ajudar aos necessitados, sejam em alimentar o faminto, visitar os presos e doentes, vestir o nu, acolher os forasteiros e similares.
            Nos dois primeiros capítulos desta obra, a questão de crença correta é enfatizada, acerca de como acontece a salvação no entendimento armínio-wesleyano e como a graça divina atua para que a salvação seja realizada.

            No último capítulo, a questão social é destacada. A preocupação social de Wesley é exposta, principalmente na preocupação não somente de John, mas de Charles Wesley para com os pobres e desprovidos de remuneração adequada para viver. A preocupação com os negros escravizados era recorrente em seus escritos, como veremos. 

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Uma Breve Entrevista com o Erudito Thomas Oden sobre o Marxismo e a Igreja Metodista nos EUA

      



      Apresentamos a parte disponível da entrevista que o site Acton Institute disponibilizou. O erudito em patrística Thomas Oden (falecido em 2016) mostra como deixou o marxismo para se tornar um referência na ortodoxia cristã e sobre como anda a Igreja Metodista Unida, da qual faz parte, em relação à ortodoxia.

- - - - - -

      Na próxima edição de Inverno 2011 [a tradução deste artigo foi feita em 2017] de Religion & Liberty, apresentaremos uma entrevista com Thomas C. Oden. A entrevista centra-se principalmente na importância e sabedoria dos padres da Igreja e sua profunda relevância para a Igreja e para a cultura de hoje. O conteúdo abaixo, no entanto, mergulha na teologia da libertação marxista e na direção da própria denominação de Oden, a Igreja Metodista Unida. Algumas das partes abaixo estarão disponíveis apenas para leitores do PowerBlog.

      Gostaria de acrescentar uma breve nota pessoal sobre Tom Oden também. Seu trabalho e seus escritos foram uma bênção imensa em minha própria vida. Sua pesquisa foi vital para minha própria formação espiritual no seminário e além dele. Tenho muitos amigos e colegas que testemunhariam o mesmo. Eu ainda leio sua teologia sistemática de três volumes como uma devoção. Foi um prazer passar tempo com ele durante esta entrevista e seu coração pastoral é tão grande quanto seu coração acadêmico.

- - - - - -

Thomas C. Oden é um professor aposentado de teologia na Escola Teológica da Universidade Drew em Madison (NJ).  É o autor de trabalhos teológicos numerosos, incluindo a teologia sistemática de três volume:  The Word Life (A Palavra da Vida), Life in Spirit (A Vida no Espírito) e The Living God (O Deus Vivo). Atualmente é diretor do Centro do Cristianismo Africano Antigo na Eastern University, St. Davids, (Pa). Ele é o editor geral do Comentário Cristão Antigo sobre as Escrituras e a antiga série da Doutrina Cristã. Ele palestrou recentemente com Ray Nothstine, editor-chefe da Religion & Liberty.

Religion & Liberty (doravante RS) - Obviamente, a teologia marxista atingiu um pico nos anos 70 e 80 em grande medida. A teologia da libertação é uma construção marxista em declínio? E se sim, por quê?

Thomas Oden (Doravante TO) - A práxis marxista tem sido desde os Gulag de Stalin, o Grande Salto de Mao [Tsé Tung], e a economia e estado policial pobres de Cuba. O Muro de Berlim era intelectualmente o carro-chefe. Mas os teólogos estavam atrasados ​​em reconhecer suas vulnerabilidades. Isso porque eles estavam muito endividados às suposições morais básicas da consciência moderna: narcisismo hedônico, relativismo absoluto e reducionismo naturalista. O rápido declínio das soluções marxistas não foi reconhecido por muitos de seus defensores, especialmente aqueles na classe do conhecimento.

Há uma série de diferentes tipos de teologia da libertação, por isso, se você está perguntando sobre a teologia da libertação feminista ou a teologia da libertação negra, ou mais no sentido global da libertação das nações colonizadas do colonialismo, essas são perguntas diferentes.

Eu tenho uma história pessoal de ser lento para desistir dessas ilusões, mas não tão lento como muitos de meus colegas teológicos, ainda preso em um sonho pseudo-revolucionário. Eu estava muito profundamente na imaginação socialista até cerca de quarenta anos atrás. Li muito de Marx por 20 anos antes da imerecida graça mudar a direção da minha vida.

A visão marxista da história é determinista, um determinismo econômico que imagina que sabe como a história vai se concretizar. Provou ser uma imaginação muito perigosa. Para os cristãos, o desdobramento da história universal é guiado pela providência, mas não negando a escolha humana. Para um marxista, esse desdobramento se deve a um determinismo econômico que coloca classe contra classe. O que você está tentando fazer no marxismo é elevar a consciência do proletariado para que ele se rebele contra seus opressores. Esse modelo básico é facilmente visto analogamente na maioria das formas de teologia da libertação.

O que eu tive que passar foi uma desilusão do meu marxismo. Como isso aconteceu? Aconteceu pelo reconhecimento das imensas injustiças criadas pelo marxismo. Estou falando de milhões de pessoas mortas no Camboja, um quarto da população - uma visão marxista inspirada em salões expatriados pseudo-intelectuais em Paris.

Quando você realmente olha para as conseqüências sociais do marxismo, é extremamente difícil defendê-las. Achei mais difícil e mais difícil defendê-los. A visão marxista da história está em declínio porque é um fracasso histórico. Há alguns pequenos lugares onde ainda se pretende estar no futuro, como na Venezuela, que imita Cuba. Mas olhe para Cuba. Cuba já decidiu que o comunismo não funciona depois de tantos anos? Sessenta tristes anos. Os cubanos estão tentando. Eles estão tentando muito, na verdade, obter a sua economia fora da caixa de um sistema operado pelo Estado.

RS - Você é um metodista e tem sido um erudito metodista durante toda a vida. O que você acha do futuro da Igreja Metodista Unida? Eu penso que muitos evangélicos conservadores ouvem coisas negativas sobre a denominação como sobre ela se relacionar com o liberalismo teológico. Mas quais são alguns aspectos positivos?

TO - Em muitos aspectos estão longe de ser deprimente. Os protestantes liberais [na Igreja Metodista Unida] ainda têm as Escrituras, seu hinário em grande parte está intacto e seus padrões confessionais, que, na minha tradição, são os 25 Artigos de Religião e os Sermões Padrões de Wesley. Ainda temos nossos padrões doutrinários. Eles fazem parte da nossa Constituição. Eles não podem ser facilmente adulterados.

Há, obviamente, muito erro terrível com nossa atual forma liberal burocrática de governança. Nossa pergunta é realmente: O que há para ser aprendido com isso? Agora estou trabalhando em um trabalho de quatro volumes sobre John Wesley. Acho que a resposta-chave é o próprio Wesley. Ser liberal e estar na liderança da nossa igreja é como ser um luterano e não ter lido Lutero, ou ser um evangélico reformado e não ter se preocupado em ler Calvino. Temos muitos metodistas que nem sequer tocaram na grande sabedoria de Wesley. Agora vamos nos amarrar em Wesley com a tradição patrística. Wesley passou a estar em Oxford numa época em que havia um grande avivamento patrístico acontecendo. Isso significa que esses escritos cristãos primitivos estavam sendo avidamente lidos no Lincoln College em Oxford em suas línguas originais. Wesley podia facilmente ler Clemente de Alexandria em grego, ou Cipriano ou Agostinho em latim. Ele trouxe toda essa sabedoria com ele para o reavivamento evangélico do século XVIII. Ele publicou a versão de uma pessoa leiga dos escritores Ante-Nicene.

Penso que a maior parte da tradição metodista e da tradição anglicana de onde ele veio, e também, creio eu, das tradições presbiteriana e luterana, estão experimentando o mesmo tipo de amnésia em relação às suas próprias raízes. Em cada um desses casos, como no caso de Lutero e Calvino e Wesley, todos estes foram muito mais fundamentados nas antigas tradições orientais e ocidentais da Ortodoxia do que na igreja contemporânea. Então eu quero ver metodistas lendo Wesley. Eu também quero vê-los ler os antigos escritores cristãos.

O núcleo do dilema da eclesiologia protestante liberal reside no nosso clero e nos seminários que os geraram. Os leigos, em geral, permaneceram leais à fé uma vez entregue aos santos. Eles vêm e cantam os hinos da igreja e ouvem, às vezes, os maus sermões, às vezes os bons sermões. Mas a fé dos leigos não mudou realmente. É a fé do clero que se tornou fraca, e depois de cinquenta anos de vida dentro do ethos liberal do seminário, eu carrego isso em grande parte para as confusões que ocorreram nos seminários. Mais especificamente, a responsabilidade tem sido falha pelos curadores de seminários. Os benfeitores originais dos seminários ficariam chocados. Falta a responsabilidade dos doadores. Os bispos falharam em sua tarefa principal de serem os guardiões da doutrina cristã. A doutrina que eles concordaram em manter em seus votos de ordenação. Eles criaram um problema que levará muito tempo para ser corrigido.

Nós já temos na Igreja Metodista Unida muitos movimentos ativos e significativos dando resistência à "igreja do que está acontecendo agora". Estou pensando no Movimento Confessante dentro da Igreja Metodista Unida que começou em 1993 e agora tem Mais de 600.000 correspondentes. Não é algo que os bispos ou seminários possam ignorar.


Tradução: Marlon Marques